Química Verde e sua importância para ESG


A sigla ESG ganhou destaque mundial no ano passado quando o presidente da empresa BlackRock – maior gestora de investimentos do mundo – anunciou que não investiria mais em setores com grande emissão de CO2 e que priorizaria setores mais sustentáveis (Folha de S. Paulo, 03/08/2020).


________________________________________________________________________


As práticas ESG já existem há anos, mas somente agora estão ganhando corpo

entre os investidores.

_______________________________________________________________________


O site da @XP Investimentos, por exemplo, possui uma aba específica para explicar tudo sobre ESG. Ao acessar a aba a primeira informação que aparece é: “ESG: investindo para um mundo melhor”.


Segundo a XP “um investimento ESG é aquele que incorpora questões ambientais, sociais e de governança como critérios na análise, indo além das tradicionais métricas econômico-financeiras...”.

Principais questões avaliadas em cada um desses critérios:


1) Fatores ambientais: uso de recursos naturais, emissões de gases de efeito estufa, eficiência energética, gestão de resíduos e efluentes


2) Fatores sociais: políticas e relações de trabalho, inclusão e diversidade, direitos humanos, relações com comunidades, privacidade e proteção de dados


3) Fatores de governança: independência do conselho, estrutura dos comitês de auditoria e fiscal, ética e transparência


Segundo a visão dos investidores, empresas vencedoras, aquelas com melhores retornos financeiros, se preocupam com o meio ambiente, com a sociedade e com governança.

As empresas com princípios ESG contribuem para o desenvolvimento sustentável.

Os investimentos que consideram os princípios ESG são chamados de Investimentos Socialmente Responsáveis (SRI).


Dentre os fatores do ESG, o ambiental talvez seja o mais delicado porque abrange ações que minimizam o impacto ambiental causado pelas atividades industriais e o tratamento adequado dos resíduos gerados, porém, exige investimentos tanto para o desenvolvimento quanto para a implementação de tecnologias que substituirão os processos poluidores.


Outro ponto importante é que o desenvolvimento científico demanda tempo, as tecnologias não são desenvolvidas do dia para a noite e, uma vez que geralmente são desenvolvidas em ambiente experimental, precisam ser avaliadas e credenciadas para uso em maior escala, ou seja, em escala industrial.


Uma área desse desenvolvimento científico que tem ganhado muito espaço é a conhecida QUÍMICA VERDE, que podemos entender como o desenvolvimento e a implementação de produtos químicos e de processos para reduzir ou eliminar o uso ou a geração de substâncias nocivas à saúde humana ou ao meio ambiente.


A Química Verde se divide em 3 categorias e 12 tópicos devem ser perseguidos em sua implementação.

No próximo artigo, nós conheceremos quais são essas 3 categorias.


Não perca!


Carla Sandler Especialista e Mentora em Processos Industriais, Melhoria Contínua e Indústria 4.0; Mestre em Ciências pela USP;

Membro da Interactti – Rede de Empreendedorismo e Negócios.

Linkedin




10 visualizações
Artboard13-alt.jpg

(55) 11 94538 6527

Whatsapp

Interactti-Logo-03.png

Todos os direitos reservados. Interactti Inspirando Negócios Transformadores©| Site desenvolvido por Atemporal